quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

A você que votou e reelegeu o Homem que Faz.

Patético o “mise en scène” do prefeito Valdomiro Lopes ontem na televisão para justificar a injustificável falta de remédio de distribuição gratuita e insumos médicos na rede municipal de saúde. Depois de pagar anúncio publicitário para dizer que as reportagens com a reclamação de dezenas de pacientes eram mentirosas, o prefeito agora diz que vai apurar “se houve falha” para que a situação chegasse a esse ponto. É inacreditável que o prefeito ainda se permita ter dúvida de que houve falha. Não bastam as declarações dos doentes que padecem sem o medicamento. Sabe Deus quantos hipertensos, cardíacos e diabéticos ele precisa ainda ouvir para admitir que houve falha gritante de planejamento seja da Secretaria de Saúde ou da Secretaria da Fazenda. Não foi à toa que o prefeito desistiu do discurso de que as notícias sobre falta de medicamentos “trazem incorreções e inverdades.” Valdomiro percebeu que a declaração não convenceu ninguém, muito menos os pacientes que dependem da saúde pública, como o aposentado José Carlos de Barros, 65 anos. Infartado e com cinco stents no coração, ele está há três meses sem remédios que precisa para se manter vivo. O mesmo drama vive a aposentada Vicentina de Castro Santos, 67 anos, que luta contra o câncer, diabetes e problemas cardíacos e não consegue pegar o medicamento. “É uma vergonha. Os remédios estão em falta e o pessoal da farmácia não tem previsão de quando vai chegar”, disse a mulher. 

A informação dada pelo prefeito, por meio de informe publicitário e repetida ontem na TV, de que “o atraso ocorreu por conta de alterações que o Tribunal de Contas do Estado fez no plano de contas para 2013”, foi desmentida pelo próprio órgão. Segundo a assessoria de comunicação, o TCE não determina regras de compras e nem quantidade do que deve ser comprado. Como se vê, o pinóquio dessa história não é a reportagem nem o paciente. Valdomiro só disse que vai apurar o atraso na reposição dos remédios porque sentiu que a população não engoliu sua desculpa esfarrada e porque o Ministério Público já instaurou inquérito civil para apurar a irregularidade. Cabe a ele pelo menos provar que sua investigação não é só papo furado. É inaceitável que o município que se gaba de ocupar a quinta posição em melhor atendimento pelo SUS do País deixe seus pacientes padecer à míngua. 

Editorial Diário da Região

Comentário: Não tenho nenhuma pena do povo, que arquem com as consequências agora, todos já conheciam a maneira dele governar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário