terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Carta entregue aos vereadores durante a reunião chamada pelo presidente da Câmara Municipal.

Leitura importante para comprrender os fatos


A Câmara Municipal deve agir pautada nos princípios da ética, transparência e da moralidade pública, cumprindo seu papel fiscalizador com atenção aos interesses do Município de São José do Rio Preto e não aos interesses particulares.
É necessário que a Câmara preserve sua autonomia e independência para debater os assuntos da cidade, visando o bem comum da população, que inclusive paga os salários dos vereadores por meio de seus impostos, tendo portanto o direito de exigir respeito na aplicação destes impostos e o bom trabalho da Câmara Municipal, sem jamais servir de marionete do Executivo.
A legislatura anterior, da qual muitos vereadores atuais participaram, ficou marcada por escândalos, barganha de cargos, falta de transparência, falta de fiscalização e até por escândalo sexual, promovendo a desonra da instituição e vergonha aos munícipes.
Por estas razões o Movimento Popular #vergonhariopreto REIVINDICA:

--> Abertura imediata de CEI (Comissão Especial de Investigação) das Licitações, em razão das denúncias do Sr. Alcides Barbosa e a confirmação do Prefeito Valdomiro que esteve com ele em viagem com jato particular, assunto amplamente divulgado na imprensa;

--> Retorno imediato do horário das Sessões Ordinárias para às 19 horas para que todos trabalhadores interessados possam acompanhar no plenário da Casa;

--> Controle de acesso às dependências do legislativo por identificação pessoal e em especial ao plenário durante as sessões, coibindo a presença de “capangas” que inclusive entram armados intimidando e hostilizando cidadãos de bem;

--> Fim imediato de votações em regime de urgência sem que existam emergências de fato, em especial nos projetos de leis de inclusões de áreas e alterações no zoneamento urbano;

--> Que não sejam votados projetos de inclusões de áreas ao perímetro urbano sem laudos ambientais e pareceres técnicos amplamente debatidos e divulgados;

--> Divulgação imediata dos valores pagos a mais aos servidores durante a legislatura anterior e sua devolução ao erário público;

--> Que sejam realizadas Audiências Públicas para quaisquer alterações no zoneamento urbano, próximas ao local a ser alterado, permitindo assim uma maior participação de moradores das imediações e demais interessados;

--> Que todos os vereadores exerçam o mandato para o qual foram eleitos por completo, sem aceitar cargos no Poder Executivo e nem se candidatando a outros cargos;

--> Que essa Câmara impeça a criação de novos cargos em comissão e secretarias pelo Poder Executivo para atender aos interesses pessoais e acordos políticos;

--> Que essa legislatura não aumente os próprios salários;

--> Que permaneça em nossa cidade o mesmo número de cadeiras desta legislatura.

O Movimento Popular #vergonhariopreto foi constituído a partir da indignação geral da população que, após não aceitar as mazelas dos poderes executivo e legislativo se organizou de forma a debater as questões que dizem respeito à cidade e cobrar, dos homens e mulheres públicos(as) que detém o poder para mudar e melhorar a qualidade de vida das pessoas, um trabalho ético, moral e que atenda ao interesse da coletividade ao invés do interesses pessoais.
Ainda entendemos que, nesse momento, não há possibilidade de estabelecer qualquer diálogo com essa casa, pois até agora em nada se mostrou diferente da legislatura anterior. O que vemos são vereadores negociando através do executivo suas cadeiras na mesa diretora, secretarias e acomodações de seus partidários políticos no governo, com o que não concordamos.
Dessa forma, por termos tomado conhecimento desta reunião através da imprensa, por não ter sido divulgada a pauta, pelos possíveis interesses escusos por trás desse ato, o Movimento #vergonhariopreto se retira do auditório, desejando a todos eleitos que cumpram seu papel honrando os votos que receberam.

São José do Rio Preto, 14 de janeiro de 2013.
#vrp

Um comentário:

  1. EBANDADA - Pauléra chamou reunião para tentar dialogar com movimento, sem sucesso.
    - Grupo abandona reunião após reivindicação a Pauléra.
    - Movimento diz que não existe clima para diálogo com os vereadores.

    Fracassou a primeira tentativa de aproximação do presidente da Câmara de Rio Preto, Paulo Pauléra (PP), com integrantes do movimento #vergonhariopreto. O grupo abandonou reunião com Pauléra e outros dez parlamentares ontem no terceiro andar do prédio do Legislativo após entregar uma lista de reivindicações.

    Em documento entrega aos vereadores o movimento afirmou que, “nesse momento, não há possibilidade de estabelecer qualquer diálogo com essa Casa”. “O que vemos são vereadores negociando através do Executivo suas cadeiras na Mesa Diretora, secretarias e acomodações de seus partidários políticos no governo, com o que não concordamos”, diz trecho do documento.

    A saída do grupo da sala, após a distribuição do documento aos parlamentares, pegou de surpresa Pauléra e, principalmente, os vereadores novatos, que dispararam críticas ao movimento. “Me surpreendeu. Não deram chance de defesa para os novos vereadores”, afirmou Celso Peixão (PSB).

    O presidente do Legislativo afirmou que já havia sido alertado por um dos “líderes moderado” do movimento que a reunião “seria uma palhaçada”. “Estou chocado”, disse o vereador Renato Pupo (PSD). Já Francisco Júnior (PTB) afirmou estar “inconformado” com a atitude do grupo.

    O movimento #vergonhariopreto surgiu em agosto de 2011 após a Câmara apresentar o chamado pacotão dos horrores com a votação de projeto de lei impopulares, como o reajuste de salário dos vereadores e o aumento do número de cadeiras no Legislativo. Após as manifestações contra as propostas, um grupo de pessoas passou a acompanhar as sessões e as votações dos vereadores.

    Entre as reivindicações entregues pelo grupo aos vereadores estão: a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de suposto esquema de corrupção na administração do prefeito Valdomiro Lopes (PSB) apresentadas pelo empresário Alcides Barbosa. Outro pedido é para manter os salários e o número de parlamentares do município, além do fim imediato das votações de projetos de lei em regime de urgência.

    Pauléra anunciou ontem que não vai colocar mais projetos em urgência em votação. A não ser que vereadores consigam levar a proposta à votação após protocolar documento na diretoria legislativa com a assinatura de nove dos 17 vereadores. “Aí não posso fazer nada”, disse.

    Neste momento não há possibilidade de estabelecer diálogo com essa casa - #vergonhariopreto

    ResponderExcluir